ECOLOGIA

“O homem em sua desorientação interferiu profundamente na natureza. Ele devastou as florestas e, com isso, até mudou as condições atmosféricas e o clima. Algumas espécies de plantas e animais foram completamente extintas pelo homem, embora fossem essenciais na economia da natureza. Em toda parte, a pureza do ar é afetada pela fumaça e outros gases, e os rios estão contaminados. Essas e outras coisas são sérias intromissões na Natureza, que os homens hoje em dia ignoram inteiramente, mas que são da maior importância, e mostram seu efeito maligno não apenas nas plantas, mas também nos animais, que não possuem o poder da resistência do homem.” 1832

Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832)

savane1

P: A paternidade é ruim para a ecologia da Terra?

“A maternidade é uma profissão orgulhosa”, diz o velho e sábio adesivo. É difícil argumentar com isso, exceto para incluir ambos os sexos. A paternidade é um dos empreendimentos mais críticos e ainda subvalorizados que podemos empreender hoje.

Muitos Voluntários e Apoiadores do VHEMT são pais, tendo atingido a consciência após fazerem seus herdeiros. E muitos que não tiveram filhos são mais sortudos do que honrados. O passado é história. O que realmente importa é o número de filhos que não criarmos no futuro.

Queixas de mães e pais desrespeitados por outras pessoas que se preocupam com o planeta Terra não são inteiramente imaginárias. Uma mentalidade violenta domina nossa sociedade: identifique o inimigo e chute seu alvo. Como ter filhos é o maior impacto que podemos ter na natureza, alguns veem os pais como inimigos do planeta. Mas, se todos andamos por aí tentando chutar as bundas um do outro, tudo o que conseguiremos são tropeços. Não precisamos ser cirurgiões cerebrais para descobrir que chutar o traseiro não é o caminho para mudar as mentes das pessoas.

Muitos jovens poderiam se beneficiar de uma paternidade responsável. Aqueles com essa inclinação podem, com razão, sentir orgulho de aceitar o desafio e a responsabilidade de criar um filho existente.

O trabalho de preservar e restaurar o que resta da biosfera da Terra não será concluído em nosso tempo, por isso é fundamental incluir pessoas mais jovens, dando-lhes a oportunidade de continuar o trabalho. No entanto, é desnecessário criar mais pessoas para continuar esse trabalho, além de ser contraproducente.

Optar por não adicionar mais pessoas reduz bastante nossas potenciais emissões de gases de efeito estufa:

CO2-e.avoided

O gráfico circular é adaptado do The Guardian, usando dados de um estudo de 2017. Compartilhe livremente.

impact.human


P: Qual o problema com a extinção de animais?

Algumas pessoas dizem: “Extinção é natural. 99,9% de todas as espécies de plantas e animais que já existiram foram extintas.”

Coloca tudo em perspectiva, não é? Não devemos nos irritar com alguns milhões de extinções hoje. Tudo faz parte do processo natural da vida na Terra.

Pelo mesmo raciocínio, não deveríamos nos preocupar com pessoas que morrem jovens. A maioria das pessoas que já viveu já está morta e todos nós morreremos em algum momento. Sendo assim, a extinção da raça humana também não deve levantar nenhuma preocupação.

No entanto, se é verdade que as espécies vivas hoje representam apenas 0,1% de toda a história biológica da Terra, a extinção delas torna-se ainda mais trágica. Depois de evoluir às custas de bilhões de outras espécies e de transmitir sua codificação genética por bilhões de anos, qualquer espécie viva hoje, inclusive a nossa, merece profundo respeito e reverência. Em certo sentido, todos os seres vivos estão no auge da evolução. Sacrificar a existência de qualquer forma de vida por algo tão supérfluo e transitório quanto dinheiro é um crime ultrajante contra a Natureza.

Estima-se que a taxa de extinção de hoje esteja entre cem e mil vezes a média das eras passadas, e o desaparecimento de praticamente todas as espécies decorre das atividades de uma espécie. Adivinhem qual.

Nossa extinção voluntária para o bem eterno de todas as outras vidas na Terra será a demonstração definitiva das melhores qualidades da humanidade: compaixão e razão.

extinctcauses

Links para sites com informações sobre extinções. (em Inglês)


“A Terra não nos pertence, nós pertencemos à Terra. O homem não teceu a teia da vida, ele é apenas um fio nela. O que quer que faça na teia, ele faz para si mesmo.”
Atribuído ao “Chefe Seattle” (Noah Sealth 1786-1866) Palavras verdadeiras, não importa quem as escreveu.

P: Os seres humanos são a espécie mais importante da Terra?

Certamente temos mais poder. Temos o poder de destruir o planeta ou ajudá-lo a voltar a ser um paraíso natural. Nossas escolhas têm mais impacto do que as dos outros animais; portanto, de certa forma, o Homo sapiens é a espécie mais importante da Terra.

Outro teste de nossa importância é perguntar se a biosfera da Terra estaria melhor sem nós. Quanto mais alta a espécie na cadeia alimentar, menos importante parece ser para a sobrevivência dessa cadeia.

A biodiversidade está sendo grandemente diminuída pela extinção de predadores carnívoros, e suas presas são afetadas adversamente, mas a cadeia está sendo encurtada mais do que quebrada. Da mesma forma, os seres humanos praticamente deixaram a cadeia alimentar e não criarão um elo perdido quando forem extintos.

As bactérias microscópicas no intestino dos cupins são fundamentais para a continuidade e sobrevivência da teia de vida da Terra. Por mais especial que seja o Homo sapiens, parecemos ser uma espécie descartável nesta biosfera.

A extinção das dezenas de espécies que vivem apenas nos seres humanos é trágica, mas inevitável. Embora nossos corações não se importem com o piolho do caranguejo, e poucos de nós já viram algum dos bilhões de ácaros e micróbios que vivem em nós, cada um deles é uma forma de vida única que contribui para a diversidade da vida na Terra.


Eco Depth Gauge
Ferramenta de Profundidade Ecológica
Qual é a profundidade de sua ecologia?
Faça o teste.
Desça até discordar, então suba um nível.
Superficial – Deveríamos tomar conta do nosso planeta, como faríamos com qualquer ferramenta valiosa.
Raso – Temos a responsabilidade de proteger os recursos da Terra para nossas próximas gerações.
Altura do joelho – A Terra ganharia com mudanças na atividade humana.
Altura da cintura – O planeta estaria melhor com menos pessoas.
Profunda – A vida selvagem tem o direito de existir.
Mais profunda – A vida selvagem tem mais direito de viver na Terra do que os humanos.
Profundamente profunda – Os humanos são uma ameaça muito grande para a vida na Terra. As espécies deveriam ser eliminadas.
Radicalmente profunda – Extinção humana agora ou não haverá nenhum futuro para este planeta. Um extermínio indolor é necessário.
Abismalmente profunda – A aniquilação rápida é boa demais para os humanos. Uma doença fatal e horrível do espaço exterior é algo justo.

Faça o download do Eco Depth Gauge como PDF. Creative Commons License
Medidor de profundidade ecológico por Les U. Knight está licenciado sob uma Creative Commons Attribution 3.0 United States License. Também publicado em Deep Environmental Politics: The Role of Radical Environmentalism in Crafting American Environmental Policy por Phillip F. Cramer, Praeger 1998.


P: Os seres humanos não têm um lugar na natureza?

Já foi dito que nossos problemas ambientais decorrem da falta de contato com o mundo natural. Talvez essa lista de verificação ajude a restaurar nosso senso de lugar na natureza. Participe da busca por um nicho humano e ajude a determinar onde nos encaixamos na Terra. Marque quantos nichos são adequados para nós:

  • • Conquista suprema da evolução
  • • Ser mais avançado da Terra
  • • Parte integrante da teia da vida
  • Superpredadores
  • • Invasor exótico
  • • Praga parasitária
  • • Dominador, usurpador de recursos
  • • Acaso da evolução, separado da natureza
  • • Unificador espiritual do céu e da terra – da divindade e da natureza
  • • Adorador da natureza como deus/deusa
  • • Aquele que transcende o reino físico
  • • Monitor, cuidador das espécies menores
  • • Igual a todas as formas de vida
  • • Ligação na cadeia alimentar.
  • • Restaurador do equilíbrio, destruidor da civilização
  • Defensor da natureza
  • Câncer ou vírus
  • Altruísta prestes a ser extinto
  • • Outros

Muitos se apegam à noção estranha de que ainda somos parte da natureza, e talvez sejamos, dependendo de como definimos “ser parte de”.

Um ecossistema estabelecido e equilibrado funciona em uma simbiose dinâmica. Todas as espécies interagem entre si de três maneiras possíveis: mutualistas, comunalistas ou parasitas. Um relacionamento mutualista ajuda os dois organismos. Um relacionamento comunalista não ajuda nem prejudica os organismos em interação. Um relacionamento parasitário ajuda um e prejudica o outro.

Somos parte da natureza da mesma forma que uma empresa madeireira faz parte da floresta? Ou da mesma maneira que um fazendeiro faz parte da fazenda? Poderíamos fazer parte da natureza da mesma maneira, digamos, que uma lontra: comendo ouriços do mar e sendo comidos por tubarões. Já fomos como a lontra, parte do ecossistema. Então desenvolvemos a agricultura e nos tornamos parasitas, dependendo da exploração da natureza para nossa sobrevivência, mas não devolvendo nada.

O registro de fósseis mostra que cada vez que o Homo sapiens entrou em um continente, ocorreu uma onda de extinções. Invasores exóticos normalmente perturbam os ecossistemas, e não somos exceção.

Em algum nível filosófico, não há dúvida de que alguma verdade alimenta o mito. No entanto, examinando nossas vidas diárias e perguntando a nós mesmos: “Que parte do meu dia normal faz parte da natureza?”, a triste verdade é revelada.


thinning the herd
Deixe-me entender… É a nossa manada que precisa ser “diminuída”

P: A superpopulação não é apenas um problema de distribuição humana?

É verdade que as pessoas estão aglomeradas em algumas áreas, enquanto outras permanecem relativamente desabitadas, mas vamos definir o que é desabitado. Só porque não vemos casas e pessoas não significa que a terra esteja desabitada.

Terras agrícolas e terrenos baldios são desabitados, assim como bases militares e campos de bombardeio. As florestas secundárias são, na verdade, fazendas de árvores gerenciadas para benefício humano, muitas também são superexploradas. Se definirmos desabitado como áreas onde a influência humana é ecologicamente insignificante, encontraremos pouquíssima terra que pode entrar nessa categoria.

É ingênuo pensar que tudo o que precisamos fazer é nos distribuir melhor para resolver problemas de aglomeração. Precisamos de muito mais do que um lugar para dormir. Precisamos de água, comida e calor. E, percebendo ou não, precisamos de grandes áreas selvagens, desabitadas de seres humanos.

Em termos de impacto ambiental, reunir humanos nas cidades preserva melhor as áreas naturais do que nos espalhar uniformemente por toda a terra. Isso, como todas as tentativas de controle de migração, fornece apenas um alívio temporário. Os centros populacionais enviam seus tentáculos para trazer suprimentos de áreas rurais e naturais.

Uma análise mais precisa do nosso impacto é o que William Rees, da Colúmbia Britânica, Canadá chama de nossa “pegada ecológica”. Para calcular aproximadamente sua pegada ecológica, responda a este simples questionário.

O consumo tem muito a ver com nossas pegadas, e a reprodução multiplica o consumo. Após determinar o tamanho da sua pegada, adicione 50% para cada nova pessoa que você criou. Não conte filhos adotivos.

Quando a densidade populacional melhorar, não precisaremos converter ecossistemas naturais em fazendas agrícolas, indústria, habitação e diversão.

Visualizar a Terra à noite revela a extensão da ocupação humana. (Os norte-coreanos apagam as luzes à noite).


Um lapso de tempo tirado da frente da Estação Espacial Internacional enquanto orbita nosso planeta à noite. Este filme começa no Oceano Pacífico e continua sobre a América do Norte e do Sul antes de entrar na luz do dia perto da Antártida.

As pegadas nacionais foram calculadas pela Rede Global de Pegada, que determina se a pegada de uma nação é menor que a capacidade biológica – fornecendo uma reserva ecológica – ou está em excesso e tem um déficit ecológico.

A capacidade de carga da Terra para nossa espécie foi excedida na década de 1970 e nossos excessos aumentam à medida que a população e o consumo aumentam. Ao mesmo tempo, a capacidade de carga é reduzida pela perda de solo, desertificação, salinização das terras agrícolas, colapso dos estoques de peixes, esgotamento de aquíferos e outras fontes de água doce, e assim por diante. Em 2010, usamos um ano e meio de recursos da Terra: uma estimativa de 60% acima do limite.

overshoot.1970.2020

A capacidade de carga da Terra para nossa espécie foi excedida na década de 1970 e nossos excessos aumentam à medida que a população e o consumo aumentam. Ao mesmo tempo, a capacidade de carga é reduzida pela perda de solo, desertificação, salinização das terras agrícolas, colapso dos estoques de peixes, esgotamento de aquíferos e outras fontes de água doce, e assim por diante. Em 2010, usamos um ano e meio de recursos da Terra: uma estimativa de 60% acima do limite.

Mapa mundial de Breathing Earth mostra emissões de dióxido de carbono, nascimentos e mortes por país.



P: A Mãe Natureza não restaurará um equilíbrio se o mundo ficar superpovoado?

“É uma verdade lógica simples que, com a emigração em massa para o espaço, com foguetes decolando a uma taxa de vários milhões por segundo, as taxas de natalidade descontroladas provavelmente levarão a taxas de mortalidade bastante maiores. É difícil acreditar que essa verdade simples não seja entendida pelos líderes que proíbem seus seguidores de usarem métodos contraceptivos eficazes. Eles expressam uma preferência por métodos “naturais” de limitação populacional, e um método natural é exatamente o que eles obterão. Chama-se fome.”
~Richard Dawkins, O gene egoísta

Quando o explorador holandês Jacob Roggeveen descobriu Rapa Nui no dia da Páscoa de 1722, havia cerca de 2.000 pessoas e nenhuma árvore ou arbustos com mais de três metros de altura. Nenhum morcego, pássaro, lagarto ou caracol terrestre. Eles tinham galinhas, o único animal doméstico. Os barcos deles estavam tão furados que precisavam baldear a água tanto quanto remar. Nem sempre foi tão ruim na ilha.

A análise de pólen de amostras nucleares levadas de volta à Inglaterra para estudo e a análise dos restos das cozinhas estão revelando um drama que está acontecendo em escala global. Assim como não podemos deixar a Terra, eles não podiam deixar Rapa Nui.

Por volta de 400 d.C., alguns polinésios desembarcaram em um paraíso tropical. Em um século, eles estavam construindo as conhecidas estátuas de pedra que Erich Von Daniken imaginava que deviam ter sido esculpidas por visitantes do espaço – os locais com certeza não poderiam ter feito isso por não terem materiais.

Por pelo menos 30.000 anos antes da chegada desse novo invasor exótico, Rapa Nui era um ecossistema próspero e diversificado. Palmeiras enormes eram perfeitas para canoas, que eles costumavam para pescar botos. Em 800, a destruição das florestas já estava em andamento, e em 1400 a palmeira estava extinta. A população humana pode ter atingido o pico de 20.000.

Imagine a última árvore cortada para uma canoa e algum ambientalista radical falando com desânimo e tristeza que não haveria canoas para as gerações futuras. Os botos significavam cerca de um terço da dieta deles e não podia ser caçado sem as grandes canoas. As árvores também foram usadas para mover as estátuas das pedreiras, sendo que cada clã corria para fazer a sua.

Parece que a sociedade entrou em colapso rapidamente, com ferramentas abandonadas nas pedreiras e estátuas pela metade. A história ainda está sendo preenchida e o debate continua sobre canibalismo. Um insulto Rapanui dos tempos modernos se traduz como “A carne da sua avó ficou grudada nos meus dentes”.

O sacrifício humano e as guerras entre ilhas mantiveram outras populações das ilhas do Pacífico em níveis sustentáveis. Felizmente, as sociedades modernas têm potencialmente uma alternativa a esse controle da morte: o controle da natalidade.

HQ sobre a superpopulação e a extinção das renas da Ilha de St. Matthew.


P: Por que extinção? Por que não reduzir nossa população a um tamanho sustentável?

Os Apoiadores do VHEMT são a favor desse objetivo, enquanto os Voluntários veem a extinção como a única maneira de evitar a volta à densidade atual.

A população de Homo sapiens foi reduzida para menos de 10.000 indivíduos em algum momento de nossa existência, uma estimativa baseada nas semelhanças de nosso DNA. Esse gargalo provavelmente aconteceu há 73.000 anos, quando o vulcão Toba choveu cinzas sobre nosso habitat e precipitou um inverno vulcânico. Dez mil certamente seriam um número sustentável, se não fôssemos tão fecundos.

A introdução de um par reprodutivo de uma espécie exótica é suficiente para perturbar um ecossistema e causar extinções de espécies nativas. Evoluímos e nos tornamos invasores exóticos virtuais da biosfera da Terra como um todo, incompatível com formas de vida não domesticadas.

Se usarmos uma balança como a que a Justiça cega sustenta, colocarmos todas as espécies extintas de um lado e os seres humanos do outro – dando-nos cerca de 100.000 vezes mais peso porque inventamos a balança – o resultado será favorável à nossa extinção, mesmo com a nossa vantagem ponderada.

Se a Justiça for usar sua espada para fazer vasectomias quando o veredicto for revelado, seria bom que ela tirasse a venda.

Talvez se considerássemos nossa própria extinção, poderíamos apreciar mais plenamente o que significa a extinção de outras espécies. Pode ser difícil se identificar com doninhas de grande focinho de porco e ratos com orelhas de coelho, mas também é difícil se identificar com nossos sogros.

Mais sobre a teoria da catástrofe de Toba.


“Os dados de Darwin foram ruins para a Terra. Foi um infortúnio para o mundo dos vivos, em especial, acreditam muitos cientistas, que um primata carnívoro e não uma forma animal mais benigna conseguisse se desenvolver.”
E.O. Wilson

P: Outras espécies não aparecerão e farão a mesma coisa depois que partirmos?

Não é impossível que outras espécies venham e façam o mesmo que nós, mas é bastante improvável. Até onde sabemos, nenhuma espécie tomou o mesmo desvio evolutivo que nós. No entanto, a teoria do superpredador sugere que a evolução ocasionalmente produz predadores tão eficientes que acabam com o suprimento de seus próprios alimentos e se extinguem naturalmente. A existência deles é tão curta que há poucas evidências no registro fóssil.

Um cenário semelhante oferece uma solução possível para o Paradoxo de Fermi. Talvez a evolução opte pelo nosso tipo de inteligência: seres inteligentes desaparecem em um tempo relativamente curto. “Vamos juntar isso e ver o que acontece.”

Muitas espécies, e não apenas macacos, exibem inteligência parecida com a nossa – embora tentemos distorcer os critérios de inteligência para fazer parecer que somos os mais inteligentes. Nenhum deles parece estar se preparando para converter o resto do mundo em seu habitat, como estamos fazendo.

Temos a oportunidade de provar que podemos nos comportar de maneira benigna, apesar de nossa herança biológica. Talvez nunca consigamos parar de brigar um com o outro, explorar o mundo natural ou ceder a outros impulsos primários, mas podemos parar de procriar e, em algum momento, nossa natureza será história.

Próxima categoría: ECONOMICS (Em Inglês)